domingo, junho 15, 2008

Expectativas desleais



Estou tão cansado. Cansado de ser esperada de mim uma atitude, um comportamento, uma reacção. Vão todos meter as expectativas que têm de mim no cu! E enfiem-nas bem fundo pelo intestino adentro.
Porque razão é exigida de mim um determinado comportamento quando eu, como ser de livre arbítrio, tenho o poder decisional de tomar ou não tal comportamento?
Existe alguma altura em que temos a responsabilidade de satisfazer os outros? de obedecer? de seguir? de sobrepor os desejos dos outros à nossa própria vontade?

Agora, o que eu gostava mesmo era de escrever: Este blog chega ao fim. Vou para um local por tempo indeterminado. Não sei se nos voltaremos a ver. Foi um privilégio conhecer-vos a todos. Até mais ver, ou até uma próxima vida. Abraços, Adoro-vos.

Em vez disso, estou num chão de pedras de mármore ligadas por cimento deitado e agarrado a uma mangueira verde com riscas brancas muito fininhas que deita água fria mas que não consigo sentir a temperatura mas apenas a sensação da água a tocar na pele e na roupa molhada. Nada mais existe; apenas a sensação de sentir.

E quando volto à realidade levo um par de estalos na cara apenas porque não correspondo a um padrão que exigem de mim.

2 comentários:

Nuno disse...

Amigo, julgo perceber aquilo que sentes... Por um lado dou-te razão quando dizes ser um ser de livre arbítrio, tens todo o direito de fazeres aquilo que te der na real gana. Por outro lado, de facto chega a uma altura que não é tanto uma questão de satisfazer a sociedade, mas sim de ter juízo! E a definição de juízo que cada um tem é muito própria mas convém também que esteja "ligeiramente" de acordo com a sociedade...

Ou seja, chega uma altura em que temos que nos tornar pessoas responsáveis. Ponto. Sob pena de depois estarem a criticar-nos por não o sermos. Não leves isto como uma crítica, é apenas uma constatação. De qualquer forma, os teus amigos estão cá para ti, para te apoiarem, mas sobretudo para serem sinceros! Mais vale uma frase sincera e fria do que uma mão passada pelo nosso pêlo.

Abraço forte

Luís Silva disse...

O que costumo dizer nestes casos é que é sempre muito facil apontar um dedo, esquecendo que para nós apontam outros quatro.

Gostava de poder transmitir um conselho construtivo em relação à situação, por isso peço-te que sempre que te vierem à cabeça estes pensamentos os soltes com um valente e estridente peido, evitando assim que essas energias negativas fiquem dentro da tua pessoa e te consumam!

Segue o meu conselho amigo! :D

Abraços!

Adonde é que voces andam?